quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Até logo, tia Tusinha !




Hoje recebi a notícia do falecimento da minha tia Ivanilda (seu nome de batismo), mas acho que ela pensava em si mesma com o nome pelo qual toda a família a chamava: Tusinha! Não sei dizer a origem deste apelido, mas sei que até onde a minha memória alcança só me lembro de conhecê-la como “tia Tusinha”.  Minha tia teve uma vida sofrida, mãe de cinco filhos (três destes envolvidos em um acidente gravíssimo com a explosão de uma garrafa álcool, o que lhes marcou bastante), divorciada, evangélica (irmã do “círculo de oração”, com direito a coque e tudo mais). Além de criar da melhor forma possível seus filhos, enfrentar algumas enfermidades terríveis (entre elas uma rara e incurável chamada síndrome de Crohn, que ataca todo o trato digestivo), ela foi uma pessoa sem nada que chamasse atenção para si. Dona de um sorriso discreto, fazia uma torta de limão como ninguém, além de uns bombons de morango que só de lembrar me faz salivar a boca. Eu adorava quando ia passar alguns dias na sua casa, onde passava o dia brincando com os meus primos.

Ela foi uma pessoa comum, com experiências comuns, que fez da criação dos seus filhos, e posteriormente das atividades na igreja sua motivação de viver. Estava sempre em oração pela salvação dos seus filhos e demais familiares.  O que eu posso falar dela? Que era uma pessoa amável e amada, que em meio a inúmeros motivos para desistir, ela sempre foi grata a Deus pelo dom da vida. Quais os motivos para que alguém seja amado? Não sei, só sabemos que amamos uns e outros não, e eu amei a minha tia Tusinha. Posso afirmar que ela era singular (assim como somos todos nós!), no seu jeito, na sua voz, enfim, na sua personalidade. Era uma pessoa comum, e assim como são as pessoas comuns, incomparavelmente única.

Ao lembrar de como foi a sua vida, penso que para sermos amados não precisamos ser “super” em nada, não precisamos ser os melhores em nada, não precisamos competir com ninguém, não precisamos criar auto-enganos, tudo o que precisamos é simplesmente ser. Eu tenho motivos para amar a minha meiga tia Tusinha, mas Deus não precisa de motivos para nos amar, pois ele conhece cada particularidade das suas criaturas, conhece a nossa estrutura, e ainda assim (ou talvez por isso) nos ama.

Quero elogiar a autenticidade de quem não tem a necessidade de aparentar mais do que realmente é, e que por isso, deixa-se moldar segundo o propósito daquele que nos criou como somos, isso é ser cristão, isso é ser puro, isso é ser simples.

Para mim, assim como para a minha família que agora carrega a dor pela ausência, fica o privilégio de ter convivido com alguém tão doce quanto a tia Tusinha. Não sei poetizar a dor. Dor é dor. Mas confesso que aqueles que carregam no coração a certeza  que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito”, sentem a dor de forma diferente, pois encaram a morte não como um ponto final de uma existência, mas sim como o despertar para a eternidade, onde as dores e as lágrimas desta vida ficam para trás, e então embarcamos nesta última viagem rumo ao nosso lar verdadeiro, onde somos amados incondicionalmente, e como filhos que retornam ao lar, seremos recebidos com o abraço do nosso Deus e Pai.

Por isso tia, adeus não cabe entre nós, apenas um “até logo”, e se puder quando chegar a minha hora, gostaria de te pedir que me esperasse com uma torta de limão daquelas.

2 comentários:

Daura disse...

Parabéns primo por suas palavras e sabedoria. Que o nosso Deus console a todos vocês e continue lhe abençoando e dando forçar para expressar seus sentimento de forma tão serena.
Abraços, Daura.

Ricardo disse...

Primo, você descreveu muito bem o perfil de nossa saudosa Tia Tusinha. Também lembro bem da torta de limão que ela fazia. Eu e minha família não pudemos estar presentes para ajudá-la de qualquer forma, mas ajudamos em oração por ela e por toda família. Um grande abraço Primão!