sexta-feira, 15 de julho de 2016

Na Estante




Sábado nublado, após uma semana de intempéries rotineiras preciso sossegar, o corpo, a alma, o fardo que me gruda no ser, feito pulga em cão velho.

Como descansar da fadiga de existir?
Alguém me traga uma taça de vida, transbordante, com hortelã e gelo.
Sentado no sofá da sala de estar, quero música, mas tem que ser daquelas que ecoam do lado de dentro.
Hoje não quero o controle, não preciso de um programa.
Não quero propaganda, não quero assistir, não preciso de entretenimento.
E o tempo passa, mesmo sem passatempos.

Mas quando me percebo, estou olhando para a estante, e os entre livros, O Livro, a Palavra do Eterno. Coloco-me de pé, anseio por ouví-lO, pego e aperto-a contra meu peito, para que ela ouça meu coração.
Como criança que desembrulha o presente, folheio suas páginas, linhas e letras.
Repito em meu íntimo:
- Ele sabe, Ele sabe, Ele fala.

De súbito, a Palavra me encontra:

"Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.
Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas.
Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve."


Mateus 11:28-30

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Mensagem aos vira latas



Aos não merecedores,
Não dignos, não amáveis,
Não suficientes, miseráveis.
Aos não vitoriosos, não virtuosos,
Não iluminados, não abençoados,
Tortos, fracos condenados,
Aos perdidos, excluídos, exilados,
Aflitos, feridos, humilhados,
Sem teto, sem afeto, dejetos.
A todos, absolutamente todos, sem distinção,
Aos sem linhagem, sem pedigree, sem graça,
Aos “vira latas” de coração,
Aos pecadores, não santos,
Multidões, milhares, tantos,
Aos que reconheceram que simplesmente “não são”
E fizeram d’Ele sua única esperança:


- Sim, venham, benditos de meu Pai! Recebam como herança o Reino que foi preparado para vocês desde a criação do mundo.

E
ssa é a loucura do Evangelho
Essa é a loucura da Cruz;
Essa é a loucura da Graça.

Um Deus que subverte completamente a meritocracia por amor.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

O pior cristão que eu já conheci



          
           Aquele era para ser um dia comum, como tantos outros dias comuns na minha vida. Saí de manhã para o trabalho, atrasado como sempre, decidi tomar café da manhã na rua. Antes de chegar no prédio em que labuto, passei em uma padaria próxima, cumprimentei o balconista, pedi uma média de café com leite e um pão com queijo minas.

Um sujeito ao meu lado, depois de ouvir meu pedido fala para o atendente: “faça o mesmo pra mim também”. Então, animado pelo nosso gosto em comum por pão com queijo minas, ele resolve puxar assunto, mas logo segunda-feira pela manhã? Penso resignado “deve ser algum tipo de teste para a minha paciência”. Como teria que ficar por ali alguns minutos, resolvi então dar atenção ao meu ocasional colega de desjejum. Ele começa quase que por uma necessidade compulsiva a me contar da sua vida. Fala que seu colesterol está alto, sua ex-mulher resolveu entrar na justiça pela guarda do seu papagaio de estimação, e que ele até gostava da sua recém solteirice, mas odiava a idéia de ter que fazer todas as refeições sozinho (pensei comigo, percebe-se!). Porém, enquanto ele me contava do seus infortúnios, uma coisa me chamou atenção: ele me disse que era cristão, mas que tinha deixado a igreja e agora peregrinava sozinho em sua fé.

                Eu disse para ele que também sou cristão, mas que diferente dele, eu acredito que ninguém deve vivenciar a sua espiritualidade longe do convívio de outros que partilham a mesma fé, e que a experiência cristã dá-se na coletividade. Ele me respondeu: “também já pensei assim”. Ele começou a me contar que seu isolamento deu-se após sua separação, onde ele começou a viver dissolutamente, me contou de algumas certezas que ele considerava inabaláveis como o amor de Deus, e sua intervenção na Criação, por vezes claudicaram. Disse que a Bíblia já não lhe despertava o interesse de outrora, e que sua coleção de livros teológicos, hoje servia como apoio para o pé da cama que quebrou. Não pude mais ficar indiferente, disse-lhe que eu lecionava na igreja, por isso também tinha muitos livros de teologia, e que a Bíblia me servia como fonte inspiradora e que norteava as minhas decisões. Agora, cheio de compaixão, disse para ele: “nosso encontro não foi uma coincidência, você precisa se levantar, se arrepender e voltar para Jesus”. Meu ilustre desconhecido, começou a me dizer: “você não entendeu, eu não disse que estou desviado da fé, eu apenas não estou na igreja”. Quantas vezes em minha vida como cristão e pregador, eu ouvira tais argumentos, e logo, começamos a discutir sobre a possibilidade de uma espiritualidade solitária. O mais estranho era que para cada colocação minha, ele contra-argumentava como se conhecesse todas as minhas “armas”.

- Amigo, o nosso papo está ótimo, mas preciso ir trabalhar. Gostaria de reencontrá-lo para terminarmos nossa conversa.

- Também preciso ir, e pode ter a certeza que nos reencontraremos.

- Quem é você? Qual é o seu nome? (Perguntei a ele)

- Me diga quem é você, ai saberá o que precisa sobre mim.

                Como se me caíssem as escamas dos olhos, fitei o sujeito nos olhos, e percebi que tinha a mesma aparência que eu, mas com os cabelos um pouco mais brancos, barriga mais saliente, e possuía um olhar calmo. Ao perceber meu espanto, ele se antecipou e disse:
- Sim, sou você daqui a alguns poucos anos.

                O que mais me incomodou não foi a aparência que poderia estar um pouco melhor cuidada, e sim a calma inquietante com que ele falava da sua vida afastado da igreja. Logo eu que desde novo fui um exemplo para muitos, pregador, professor, formado em Teologia, casamento exemplar. Como essas coisas aconteceriam comigo?

- Sei que você deve estar cheio de perguntas (disse ele), e a mais importante delas é: o que posso fazer para mudar o meu futuro? Bem, eu poderia te dizer inúmeras escolhas erradas que você fez, suas culpas, falar do seu jeito impulsivo de agir, mas de nada adiantaria. Suas escolhas são parte do que você é, ou somos (ele ri).

- Mas como você pode estar em paz, sabendo das realidades espirituais, sabendo que seu afastamento o tornou mais vulnerável aos seus instintos carnais, e que desta forma você estará cada dia mais distante de Deus?

- Você esqueceu-se de uma coisa: Ele vive! E o Cristo que você sempre pregou, o Seu cuidado, o Seu amor, Sua Graça, hoje são para mim realidades empíricas. Exatamente nos momentos em que eu  caí, vacilei, tornei-me menos “elogiável”, o Cristo que você prega, tornou-se uma realidade para mim, tornou-se o meu sustento. Certamente só quando percebi todas as mazelas ocultas no meu próprio coração, pude experimentar as riquezas da  Sua Graça.

- Vá trabalhar (disse ele), vá viver, mas para que lhe sirva de consolo, saiba: sou d’Ele. Não sei existir fora d’Ele, no mais sei que tudo Ele fará. Mesmo que eu não seja exatamente como você planejou, sou consciente do pecado que me habita, bem como da Graça que me sustenta. E essa Graça d’Ele, pude experimentar através de pessoas, que encontrei pelo caminho, encontros inesperados, gestos de generosidade, compreensão, acolhimento, mãos estendidas, abraços que consolam, gente, apenas isso: gente! A esses eu aprendi a chamar de irmãos, de minha igreja.

                Levantei-me e o cumprimentei, meus compromissos eram inadiáveis. E com os olhos marejados despedi-me de alguém que certamente eu veria novamente. Ao sair da padaria, caminho alguns passos, olho para trás e vejo apenas a fachada branca, com letras em azul: Padaria Pão do Céu.